A simples – e dolorosa – resposta à pergunta do título é: porque ninguém ensina!

É claro que essa simplicidade aparente pode ser enganosa, se desprezarmos os diversos fatores que fundamentam a explicação. Durante nossa investigação sobre esse tema, identificamos pelo menos 4 fatores e 3 mitos que, se não impedem totalmente, dificultam gravemente o aprendizado das técnicas de redação em Língua Portuguesa.

Para começar, o ensino da Língua Portuguesa no Brasil tem sido orientado, ao longo das últimas décadas, para os infinitos detalhes da correção gramatical. Os alunos são intensivamente treinados a identificar problemas e incorreções gramaticais, mas ninguém explica como aplicar a Gramática à produção de textos originais, comunicativos e agradáveis de ler!

Em segundo lugar, precisamos considerar que a fórmula da produção de um bom texto não se limita a um ingrediente único chamado “Gramática”. A experiência nos mostra que um texto pode ser simultaneamente, impecável do ponto de vista da Gramática e uma completa porcaria do ponto de vista de quem vai lê-lo. Para comprovar esse ponto de vista, é suficiente ler alguns dos livros didáticos sobre Gramática e Literatura que estão atualmente disponíveis nas livrarias: gramaticalmente corretos, mas ilegíveis pelo público a que supostamente se destinam.

Terceiro, os professores brasileiros não dispõem de métodos simples para ensinar as pessoas a redigir.  Na verdade, parece que essa palavrinha misteriosa – “método” – adquiriu entre nós brasileiros um sentido esotérico de “coisa complicada”, acessível apenas por mentes superiores.

Nada mais longe da verdade. Um “método” é, por definição, a decomposição de uma tarefa complicada em pequenos bocados, simples de absorver e fáceis de digerir.

Quarto, os brasileiros somos facilmente seduzidos pela grandiosidade. Queremos ser os “maiores do mundo” em tudo. Com essa mentalidade, tendemos a desdenhar a simplicidade, embarcando na armadilha da complicação inútil, da imposição de condições irrealizáveis e da formulação sucessiva de objetivos inatingíveis. Veja alguns exemplos:

  • O grandioso mito: É impossível aprender a escrever sem primeiro aprender latim (ou grego, ou sânscrito…).
  • A simples verdade: Ora, os conhecimentos de gramática da Língua Portuguesa contemporânea deveriam ser suficientes para ensinar você a escrever de forma inteligível e agradável em Língua Portuguesa contemporânea. Se você não está satisfeito com sua redação, a solução definitivamente não é tentar aprender um novo idioma, mas aprender a aplicar os conhecimentos de seu próprio idioma!
  • O grandioso mito: Só é possível aprender a escrever bem lendo todas as obras da literatura universal dos últimos 2500 anos.
  • A simples verdade: Sem dúvida, o hábito de ler bons textos de bons autores tem valor inestimável para quem deseja aprender a escrever. Mas, cá entre nós, mesmo que você se limite à leitura diária de sites de notícias, você deveria ser capaz de escrever textos simples, corretos e agradáveis de ler em Língua Portuguesa. Em miúdos: você deveria ser capaz de escrever textos pelo menos tão bons quanto os dos sites de notícias que você lê! Se não está conseguindo, a solução certamente não é obrigar-se a ler obras em um estilo que você não tem a menor probabilidade de reproduzir ou utilizar no curto prazo.
  • O grandioso mito: Quem quer aprender a escrever precisa estudar quatro (ou oito, ou doze) horas por dia.
  • A simples verdade: É claro que esse tipo de mito serve apenas para desestimular as pessoas que precisam trabalhar em horário integral e ainda cuidar de outros aspectos da vida pessoal. Além do mais, a maioria dos seres humanos não é capaz de suportar uma rotina que envolva a dedicação de tantas horas diárias a uma única atividade. Lembre-se de que até mesmo esportistas profissionais podem sofrer lesões severas caso exagerem na intensidade do treinamento!

Por outro lado, a experiência demonstra que um pequeno esforço realizado todos os dias produz resultados melhores e mais rapidamente do que grandes esforços concentrados. Se você quer adquirir uma habilidade, terá maior chance de ser bem sucedido se começar devagar com, digamos, 45 minutos de prática diária, do que se tentar absorver tudo de uma vez. O seu corpo e o seu cérebro têm o próprio tempo e evoluem melhor quando recebem o merecido descanso após um esforço razoável!

Nossa proposta ao projetar este Curso Online de Redação foi superar todos esses grandiosos mitos e desenvolver um método simples, para ensinar os jovens e adultos brasileiros a escrever melhor. Um método que fosse adaptado à realidade de pessoas que, muitas vezes, precisam trabalhar e enquanto cursam uma escola ou uma faculdade, dispondo de pouco tempo para efetivamente estudar. Um método que visasse ao resultado realista de produzir textos corretos e agradáveis de ler em Língua Portuguesa, sem a pretensão de formar o próximo ganhador do Prêmio Nobel de Literatura.

Com esse objetivo, recorremos ao melhor compêndio de ensino de redação em Língua Portuguesa, a obra “Comunicação em Prosa Moderna”, de Othon Moacyr Garcia (editora FGV) e, seguindo os passos do brilhante autor, tratamos de simplificar ainda mais as lições e os exercícios, sempre considerando meus próprios 25 anos de experiência como redator, revisor de textos, professor de redação e orientador de trabalhos acadêmicos de nível universitário.

O resultado foram 120 lições que resumem tudo o que, provavelmente, nenhum professor jamais ensinou a você em um curso de redação. Dedicando apenas 45 minutos por dia útil ao estudo das lições e resolução dos exercícios, você vai adquirir, em cerca de 6 meses, todas as habilidades necessárias para que a tarefa de redigir se torne tão simples e natural para você quanto respirar e andar.

O segredo? Bastou assumir o objetivo de ensinar apenas uma habilidade de cada vez. Uma habilidade por dia útil. Nada mais nem nada menos do que isso.

Se você quiser experimentar, basta visitar esta página e preencher o formulário enviando seu nome e e-mail e nós disponibilizaremos para você gratuitamente e sem compromisso a Lição 1. Estou certo de que você vai gostar e querer mais!

Grande abraço,

Prof. Alexei Oliveira